Templo Espírita

"CASA DE OXALÁ"

- Seja Bem-Vindo Sempre -

Orientador Espiritual: Neiwriw de Oxalá

 

OXUN

Data festiva: 08 de dezembro

É a Cinda do amor e da prata, da angélica e da safira, do sábado. Sua moradia são: a cachoeira e as águas doces. Suas cores são: branco, azul-claro e amarelo (vibração oriental). Sua comida feijão fradinho, creme de arroz, ovos cozidos e o omolokum. Não existem qualidades. É sincretizada na Virgem da Conceição.

Oxum é o orixá da paz e da união; é a mãe benevolente que nos leva pela mão, para que passemas pela vida nessa Terra. Muitos são seus ensinamentos e todos são voltados para a confraternização. Esse orixá tem na beleza e elegância sua grande identidade. Oxum normalmente é sincretizada com diferentes Nossas Senhoras. No Recife, o povo a identifica como Nossa Senhora do Carmo, já no Rio como Nossa Senhora do Carmo e em São Paulo, como Nossa Senhora Aparecida.

Isso por que Oxum é o orixá regente das águas doces, dos rios e lagos, das cachoeiras. E como a imagem de Nossa Senhora foi encontrada no rio, o sincretismo foi feito.

Sua cor é o roxo, mas em muitos terreiros é o amarelo-ouro, isso por que a sereia das águas doces, que traz a felicidade, a saúde, o amor e conforto material aparece como a entidade daomeana Oxumaré/Bessen e então é chamada de "A Mãe do Ouro".

Oxum é sedutora, elegante, exala beleza e feminilidade. Ela foi uma das 3 esposas de Xangô na lenda Iorubá. E a responsável pelo ciúmes exagerado de Obá.

Como o rio, que sempre caminha pro mar, a Oxum da Umbanda está diretamente ligada à Rainha do Mar, encabeçando a legião das sereias de águas doces.

UMA LENDA DE OXUM

O Rio Oxum passa em um lugar onde suas águas são sempre abundantes. Por esta razão é que Larô, o primeiro rei deste lugar, aí instalou-se e fez um pacto de aliança com Oxum. Na época em que chegou, uma de suas filhas fôra se banhar. O rio a engoliu sob as águas. Ela só saiu no dia seguinte, soberbamente vestida, e declarou que Oxum a havia bem acolhido no fundo do rio.

Larô, para mostrar sua gratidão, veio trazer-lhe oferendas. Numerosos peixes, mensageiros da divindade, vieram comer, em sinal de aceitação, os alimentos jogados nas águas. Um grande peixe chegou nadando nas proximidades do lugar onde estava Larô. O peixe cuspiu água, que Larô recolheu numa cabaça e bebeu, fazendo, assim, um pacto com o rio. Em seguida ele estendeu suas mãos sobre a água e o grande peixe saltou sobre ela.

Isto é dito em iorubá: Atewo gba ejá. O que deu origem a Ataojá, título dos reis do lugar. Ataojá declarou então: "Oxum gbô!" "Oxum esta em estado de maturidade, suas águas são abundantes." Dando origem ao nome da cidade de Oxogbô. Todos os anos faz-se, aí, grandes festas em comemoração a todos estes acontecimentos.